Prestenção: Tora - Cavalier

resenha por: Raul

Cavalier
Tora
Ano: 2020
Selo: Independente
Auge: Call Your Name, Vein


Com seus 20 anos de idade, Tora é um dos mais novos nomes da cena britânica de R&B. Seu som faz lembrar nomes já consagrados como o de Jorja Smith e Liana La Havas. Essa proximidade vem voz em primeiro plano, que brinca com momentos graves e agudos, algo de subversivo nos arranjos e letras intimistas. A cantora em seu primeiro EP Cavalier prova que idade não quer dizer muita coisa e sua música já indica uma artista madura.

São 15 minutos tomados por um entrega de cinco canções, e talvez a palavra seja mesmo entrega. As letras demonstram muito da experiência da artista enquanto uma mulher negra e jovem no mundo e no mercado musical. Sobre a ideia central de Cavalier, a artista em entrevista a Vice revela que: “é sobre o enfrentamento ousado da dinâmica de poder conflitante e desequilibrada que há no mundo.”

A música Call Your Name saiu como single, e de fato, é a preciosidade do disco. Com arranjos e solos de instrumentos de sopro, vocais ecoando naquela vibe gostosa de um R&B, ao mesmo tempo que preserva suas influências mais tradicionais, o disco se arrisca num território de sonoridades inventivas. Nessa canção existe algo de muito íntimo que parece ecoar de sua voz, soando como um canto de autodescoberta e que traça versos certeiros como: “Eles não escrevem histórias de mulheres como eu”.

Aliás os videoclipes lançados ampliam a possibilidade de leitura da significação de sua história e de seus semelhantes. A canção Vein possui um videoclipe fortíssimo em que suas longas tranças se emaranham se ligando como galhos e raízes. A faixa é um dos momentos em que se nota uma maior exploração da música eletrônica, num som ambiente de camadas mais leves e que traz uma leveza para o disco. Below é outra faixa que se destaca pelo diálogo com Frank Ocean, uma de suas principais referências.

Para ficar atento nesse nome, Tora estreia em Cavalier, mostrando toda sua potência como intérprete e compositora. Usando o que há de tradicional e contemporâneo do R&B, flerta com a música pop e entrega um som íntimo e profundo, para se ouvir bem mais de uma vez.