Prestenção: ABC Love - Back To Love

resenha por: Raul

Back To Love
ABC Love
Ano: 2020
Selo: Balaclava Records
Auge: Flertes, Catwalk


Um passeio de carro noturno pelos vagões da cidade grande ou ser abduzido por um extraterrestres numa viagem nada previsível? A porta de entrada do mais novo trabalho do projeto paulistano ABC Love usa e abusa de uma estética e sonoridade bem originais dentro da cena do pop nacional. Então recomenda-se colocar sua roupa com brilhinho, óculos neon ou apenas os fones de ouvido.

Em 2017 lançaram o primeiro disco ABC Love e o Álbum do Prazer numa pegada bastante misteriosa, através da figura de Gevard Dulove, e que não se sabia sua real identidade. Agora no mais novo EP reafirmam suas características em um registro cheio de participações. São as várias vozes que formam o trabalho, o que torna sua audição sempre surpreendente pelas diversas combinações e narrativas que ali são realizadas. Na introdutoria Back To Love, que conta com as participações de Gab Ferreira e Viktor Murer, a música soa doce e brilhante ao mesmo tempo misteriosa e noturna, pelo jogo de vocais graves e agudos e as baterias intercaladas com guitarras.

Interessante notar no EP é o trabalho de ambientalização criada pelo grupo. Seja pelos samples de rádios, áudios de conversas que são trabalhadas com uma atmosfera estrelar e imagética, bebem da fonte dos anos oitenta e noventa e repaginam num trabalho autoral e que apostam em letras sobre o quanto o amor pode ser deslizante.

Em Flertes, deliciosa canção que também conta com Gab Ferreira somada a participação de YMA, possui um refrão que gruda feito chiclete: “Era só um desejo, só um desejo/ Corpo e pele não duram o verão (não duram, não)”. Com vocais bem marcados, guitarras e o uso de sintetizadores, o som te transporta para um cenário pop e nostálgico. Esses ambientes que facilmente se formam na nossa cabeça vai em direção em como o projeto trabalha com outras linguagens como a própria dramaturgia (impossível não ser pego pelos diálogos de paquera e indecisão de Flertes, quem nunca?) e daí se constrói uma narrativa que é cinematográfica que usa e abusa de cores e cenas como numa comédia romântica.

Repleto de colaborações, ABC Love entrega um disco que fala sobre as tentativas do amor através do diálogo com outras linguagens como o cinema, a literatura e as artes visuais, num registro vivo e colorido.