Prestenção: Arnaldo Antunes - O Real Resiste

resenha por: Raul

O Real Resiste
Arnaldo Antunes
Ano: 2020
Selo: Altafonte
Auge: O Real Rexiste, Termo Morte


Em seu mais novo trabalho de estúdio Arnaldo Antunes tem muito a dizer. É preciso afirmar que o real existe.

O Real Resiste é um forte posicionamento político do cantor e compositor mas sem se limitar a isso. As canções de seu mais recente disco caminham nessa direção, com destaque para a faixa título que possui o maior fôlego político e poético, lembrando o trabalho como poeta do cantor.

Pega a visão amadas: “Trabalho escravo não existe/ Desmatamento não existe/ Homofobia não existe/ Extermínio não existe/ Mula sem cabeça demônio dragão”. Se nesse momento se tem uma crítica toda trabalhada na ironia, o disco parte para momentos mais sutis ao trabalhar a resistência também em cantar sobre a cultura brasileira, os laços familiares, a cultura indígena.

A composição sobre as diferentes resistências cotidianas é acompanhada por uma escolha de trabalhar com poucos instrumentos e marcadas com a sobreposição da voz, tornando o disco um trabalho mais diferenciado em relação a maior parte da discografia de Antunes, apostando aqui na sutileza e introspecção. Boa parte das faixas são acompanhadas apenas pela voz e um pianinho gostoso como protagonistas. As dez canções ainda que não ultrapassem mais que três minutos em alguns momentos o disco perde a força por pairar numa mesma sonoridade, mas longe de tirar a beleza das composições e arranjos.

Que Arnaldo é um ícone da música brasileira todas sabemos. E seu mais novo trabalho mostra sua força e criação ao resistir à tempos tão rígidos através do exercício da arte.