Prestenção: Duda Beat - Te Amo Lá Fora

resenha por: Raul

Te Amo Lá Fora
Duda Beat
Ano: 2021
Selo: Independente
Auge: Decisão de Te Amar, Tu e Eu, 50 Meninas


Era 2018, quando Duda Beat colocou ao mundo o seu primeiro disco “Sinto Muito”. Cantando sobre amores doloridos, não demorou muito para se tornar um sucesso, parecendo que a cantora havia encontrado a fórmula que juntava o que há de melhor na música popular e alternativa. Entre a popularidade de seu debut até a chegada de “Te Amo Lá Fora" é interessante refletir o lugar que Duda está; seja pensando no eu lírico daquela que cantou muita sofrência, seja pensando no espaço musical que a cantora atingiu.

Dadas tais expectativas, o novo disco mostra uma poética que apresenta um olhar mais distante e maduro em relação aos sentimentos vividos. Ainda que continue cantando sobre desilusão, agora mostra a atitude de carregar uma memória que nunca se apagará e fazer dessa lembrança um aprendizado, nem que seja pela força do rancor, como canta no single ”Meu Pisêro”: “Pra mim 'tá tudo perdoado/ Ninguém é obrigado a me amar assim/ Morri, eu fiquei aos pedaços/ Mas tu não é culpado de não me amar assim”. A faixa é um dos destaques apresentando reviravoltas na letra e na melodia e que aposta em batidas eletrônicas.

Mas nem só de dores vive um coração. A abertura para o amor próprio e a descoberta de sentimentos recíprocos já tinha sido aberta no final do último trabalho e ganha em ”Decisão de Te Amar” um dos pontos altos do disco, ao trazer a leveza no momento certo através de uma batida de reggae bastante criativa, fazendo uma dobradinha deliciosa com ”50 Meninas”. Aliás, a mistura de ritmos mostra o amadurecimento da sonoridade da cantora que percorre desde o samba de coco, pagodão baiano até um house na última faixa. As participações de Cila do Coco e do rapper Trevo trouxeram parcerias que saíram da previsibilidade.

A impressão que fica é um trabalho que mostra as inúmeras facetas que a cantora pernambucana consegue atingir junto com a talentosa dupla de produtores Lux & Tróia, sem se prender às possíveis expectativas do mercado. E essa faceta é nada mais que a vastidão musical que o Brasil possui e que Duda usa como a base de sua construção sonora. Olhar para a diversidade musical brasileira e cantar sobre o amor nos dias atuais é a fortaleza que se encontra.