Prestenção: Sophia Chablau e Uma Enorme Perda de Tempo - Sophia Chablau e Uma Enorme Perda de Tempo

resenha por: Raul

Sophia Chablau e Uma Enorme Perda de Tempo
Sophia Chablau e Uma Enorme Perda de Tempo
Ano: 2021
Selo: RISCO
Auge: Se Você, Fora do Meu Quarto, Delícia/Luxúria


Uma dose de vigorosidade. O disco homônimo e de estreia da banda paulistana Sophia Chablau e Uma Enorme Perda de Tempo apresentado pelo Selo Risco, carrega uma energia que não é pelo fato de por ser o primeiro registro do grupo mas principalmente por algo que transborda o som, que parece buscar um vigor, um sentido na existência que na maioria das vezes é tão difícil de encontrar.

Não por acaso o nome do grupo soa de certa forma pessimista, meio descrente e um tanto irônico, combinando com a aura que paira sobre o disco. Ao adentrar nas primeiras faixas essa dose de vigorosidade, se apresenta não necessariamente como ação, mas como desejo. Consegue-se sentir na frenética Pop Cabecinha um boas-vindas meio jovem-guarda experimental, cedendo para as melancólicas “Se Você” e “Fora do Meu Quarto” carregadas de uma atmosfera noturna.

Nesse momento, temos versos poderosos como em ”Se você”: ”Se você entendesse o que eu sou eu tenho certeza/ Cê não ia ficar comigo/ Mas como você não vê/ Ou finge que não vê/ Meu jeito visceral, tão impulsivo/ Nada fica claro/ Tudo fica subentendido. São letras curtas mas carregadas de uma densidade que ora abre os sentimentos ora se preserva. Aliás, o disco caminha num eu que tropeça entre estes dois pólos, na corda bamba do risco de ser compreendido ou em fazer tentar ser.

Produzido por Ana Frango Elétrico, o disco percorre desde a bossa nova, ao som garage, ao rock e jazz, a banda se coloca harmonicamente imprevisível, trazendo inúmeras referências ao passo que a todo tempo propõe a criação de uma identidade bastante autêntica e ousada.